sexta-feira, 22 de março de 2013

Multitask? Um disparate!

Estamos na época da multitarefa. Fazer muita coisa ao mesmo tempo e quanto mais melhor.
As donas de casa há muito que o fazem, pois, com um filho ao colo e a ralhar com outro, vão mexendo o tacho do almoço e calculando mentalmente o que é preciso comprar. A moda pegou, e muitos a praticam. 
São as empregadas domésticas a limparem o pó com uma mão, enquanto a outra leva o telemóvel ao ouvido. São as intelectuais com o computador, a televisão, o MP3 e o telemóvel, tentando que não fique espaço livre para nenhum devaneio. São as crianças a pularem de brinquedo em brinquedo, não vá um só aborrecê-las. São os adolescentes com o iPad, os sms e a PlayStation enquanto estudam qualquer coisa para o teste de amanhã. São os que, acreditando nos benefícios da actividade física, andam quilómetros na passadeira ou na elíptica, enquanto vêem TV, falam ao telemóvel, lêem relatórios ou estudam matérias. São os executivos com vários telemóveis, o da empresa, o de casa, o dos clientes especiais, mais o iPad e as notas dadas aos soluços para a secretária. São os políticos com vários telemóveis, o computadores e vários assessores a fazerem perguntas de estratégia, dando notícias de minudências urgentes ou propondo planos para reuniões de amanhã. São os jornalistas, os vendedores, os empresários, os médicos, os advogados, os veterinários, os farmacêuticos, os polícias… são muitos
Andam muitos por aí nesta cacofonia de tarefas, correndo como cavalos cansados, sem saber ou questionar qual o sentido da corrida.
 
Costumo dizer que estas sistemáticas oscilações entre tarefas são como andar numa linha em zig-zag, com re-focagens sucessivas para uma das tarefas e consequente aumento do esforço e inevitável cansaço. O zig-zag é mais longo do que a linha recta! Mas ainda pior, não se pensa bem ou ponderadamente nenhum dos assuntos.
 
Quais as criações de Da Vinci ou de Einstein se estivessem sempre agarrados ao telemóvel?
As técnicas de meditação, hoje tão em voga, têm como objectivo o sossego da mente ou a focagem do pensamento, ou seja, defendem uma perspectiva exactamente oposta. O problema é que, depois de um bombardeio sistemático do cérebro e dos sentidos, querem dormir bem porque estão cansados. 
Desiludam-se, o cérebro é como os músculos: quando o cansaço é grande demais não consegue descansar, e… adeus sono.
 
O sono vem na tranquilidade, no silêncio, no conforto…


Prof. Teresa Paiva
Lisboa, 22 de Março de 2013

7 comentários:

Anónimo disse...

Boa tarde,
Parabéns pela criação de mais um ícone na Medicina do Sono em Portugal por uma das maiores especialistas no Mundo, que de forma simples, directa e muito competente dá soluções aos "quebra-cabeças" das rotinas diárias da sociedade actual e frenética.
O sono de qualidade é sem dúvida a solução de muitos enigmas!

Teresa Paiva disse...

Obrigada pelas palavras, embora eu não seja tão importante assim, mas o Sono é certamente.

Patrícia do Ó disse...

Identifico-me com o que escreveu apesar de "I should know better". Sei a importância da Higiene de Sono e cometo erros sistematicamente. Acho importante esta mensagem pois fazemos coisas erradas e depois pagamos caro. Beijinhos Prof TP

Anónimo disse...

Gostei muito do que li! Estou interessada em acompanhar as suas crónicas. Obrigada.

Teresa Paiva disse...

Fico contente que tenha gostado. Os comentários e críticas ajudam-nos a fazer melhor

Teresa Rebelo Pinto disse...

Aqui deixo um vídeo sugestivo para quem queira aprender "Monotasking":

http://www.youtube.com/watch?v=0YNeyBANrTI

joribe disse...

Além da sua página do Facebook que há descobri há dias cheguei também a este blog que me agrada imenso. Eu não gosto de dormir, durmo pouco, mas gostava de dormir mais.
Sei que há coisas que talvez pudesse fazer para melhorar o sono e a seguir viver melhor. No entanto, ainda não consegui... Vou continuar a tentar

Enviar um comentário